Demo

Instituto no Jornal Agora

Hospital dispensa pacientes com câncer por falta de grana

21 pessoas foram dispensadas pela unidade em dois dias, entre elas uma idosa de 92 anos

O Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho, na República (região central), está dispensando pacientes encaminhados pela Prefeitura de São Paulo, da gestão João Doria (PSDB), desde o início da semana por falta de grana. 

Segundo o hospital, isso acontece por "limitação orçamentária" imposta pela prefeitura, que prevê 130 internações cirúrgicas a um custo de R$ 780 mil por mês.

Os gestores dizem que, nos últimos meses, o hospital realizou, em média, 264 internações cirúrgicas por mês, o que causou prejuízo mensal de R$ 800 mil, por não receber da prefeitura, apesar de os procedimentos terem sido autorizados. "Comunicamos à Secretaria Municipal da Saúde em 17 de janeiro, mas não tivemos resposta", diz Sérgio Innocenzi, presidente do instituto.

Além da prefeitura, Innocenzi procurou o Ministério da Saúde, em busca de dinheiro para suprir a quantidade de atendimentos direcionados ao hospital. "O ministro Ricardo Barros disse 'pare de gastar e pare de atender'. Foi isso", afirma.

Segundo Innocenzi, o hospital faz 300 radioterapias e 100 quimioterapias por dia. O presidente do instituto diz que, se o poder público não cobrir o rombo deixado nos últimos meses, será obrigado a fechar duas alas cirúrgicas e 33 leitos destinados ao SUS (Sistema Único de Saúde).

Entre segunda e anteontem, 21 pessoas foram dispensadas, entre elas uma idosa de 92 anos. O hospital dá uma carta aos pacientes pedindo que se dirijam a Secretaria da Saúde.

O secretário municipal da Saúde, Wilson Pollara, diz que o instituto é uma entidade privada e que faz um contrato de prestação de serviço com a prefeitura. “Eu o contrato para fazer 130 cirurgias, esse é o dinheiro que tenho. Ele abre a porta do hospital, faz 450 cirurgias e vem me cobrar. Não podem fazer mais do que eu estou contratando”, afirma. O instituto afirma que os pacientes são encaminhados pela prefeitura com uma autorização de atendimento.

Aposentado que sofre o câncer no fígado é barrado na porta

O metalúrgico aposentado José Alves da Silva, 58 anos, descobriu há quatro meses que tem um câncer no fígado. Ele procurou auxílio na UBS Vila Prudente (zona leste), perto de casa, e, após exames, foi encaminhado pela própria prefeitura ao Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho, onde deveria passar por consulta na segunda-feira. Ele foi recusado pelo hospital.

“Não sei como eu tô vivo ainda. A minha barriga está muito inchada. Eu quase não consigo andar”, afirma Silva. “Fui com fé de fazer o tratamento, mas não fizeram nada. Da porta mesmo, mandaram a gente voltar”, afirma o aposentado.

Irmã de Silva, a balconista Maria das Graças Santos, 57, diz que o irmão está em situação crítica. “A família está desesperada. A barriga dele está muito grande, vai explodir”, afirma. “Ele trabalhou a vida inteira, se aposentou agora, precisa da saúde e não tem.”

Resposta

Pacientes serão redirecionados, diz secretaria

O secretário municipal da Saúde, Wilson Pollara, da gestão Doria (PSDB), afirmou que os pacientes dispensados pelo Instituto Arnaldo Vieira de Carvalho serão redirecionados a outros hospitais com capacidade de atendimento. "Hoje, tivemos uma reunião. Chamei todos os diretores de hospital, superintendentes, e mostrei para eles que há uma rede e cada um vai fazer uma coisa. Hoje, é um caos. Os hospitais são sozinhos, eles não têm orientação externa", afirmou. Sobre José Alves da Silva, a secretaria disse que está providenciando o agendamento em outro prestador de serviço municipal.

O Ministério da Saúde disse que destina anualmente R$ 8,6 bilhões em recursos por meio do Teto de Média e Alta Complexidade (MAC) para serviços de atenção à saúde. Sobre o Instituto Arnaldo Vieira de Carvalho, o órgão afirmou que o ministro da Saúde, Ricardo Barros, recebeu na semana passada os diretores da unidade "para entender quais as dificuldades financeiras enfrentadas pela instituição atualmente e avaliar formas de garantir a continuidade dos serviços prestados".

 

Autor: William Cardoso do Agora

Publicado em 13/04/2017

Fonte: http://www.agora.uol.com.br/saopaulo/2017/04/1875260-hospital-dispensa-pacientes-com-cancer-por-falta-de-grana.shtml

REDES SOCIAIS

fb   yt